Compartilhe

Atualizado em



Um homem de 34 anos no Reino Unido rompeu a parte de trás da garganta após segurar um espirro, o que o deixou quase sem fala e com dificuldades para engolir temporariamente.

Segundo o relato, o homem colocou a mão na boca e apertou o nariz com a outra mão na tentativa de conter um espirro: como consequência, acabou por fraturar gravemente a garganta.





O caso é surpreendente, dizem médicos que atenderam o paciente, porque a ruptura da parte de trás da garganta só é vista em traumas e acidentes. A ruptura pode, ainda, ser reportada em vômitos ou tosse intensa, mas dificilmente após um único espirro.



A fratura foi seguida de dores intensas, e bolhas de ar passaram a invadir tecidos, levando o homem à internação. No hospital, o paciente foi alimentado por tubos e recebeu antibióticos até ser liberado sete dias depois.

Um médico explicou que “Quando se espirra, o ar sai a cerca de 240 km por hora”, “se retivermos essa pressão, isso pode provocar sérios estragos” O ideal seria espirrar mesmo alto e sem constrangimentos – mas isso não é socialmente aceito.

Médicos alertam que bloquear as vias aéreas e a boca durante um espirro é perigoso, notando que a eventualidade da ruptura do tecido da garganta é rara, mas que reprimir o espirro pode levar ao rompimento do tímpano ou até mesmo causar um aneurisma cerebral.

Fonte: G1