Compartilhe

Cerca de 36 mil e 300 carteiras de trabalho foram concedidas no Brasil, em 2018, a imigrantes com status de refugiado.

O número representa praticamente a metade do total emitido entre 2010 e o ano passado, para atender esses estrangeiros.



Os dados são do Relatório Anual do Observatório de Migrações Internacionais e foram divulgados pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Eles indicam que mais de 68 por cento dos documentos concedidos em 2018 foram destinados a venezuelanos.

Outros 19 por cento das carteiras de trabalho foram entregues a haitianos e quatro vírgula oito por cento, a cubanos.

O relatório ainda revela que, no primeiro semestre, a contratação de trabalhadores com registro, que vieram da Venezuela, superou o total de 2018.



Outro grupo de estrangeiros que se destacou nos primeiros seis meses do ano foram os haitianos.

Eles também responderam pelo maior número de demissões e admissões de imigrantes no mercado formal, em 2019.

As informações são da Agência Brasil.