Compartilhe

Atualizado em

Mais de 6 milhões de famílias estavam vivendo em casas emprestadas de parentes e amigos ou cedidas por empregadores no ano passado.




Os números da Pnad Continua, divulgados pelo IBGE, revelam alta de 7% em relação ao ano anterior no quadro de pessoas que não pagam para morar.


Na contrapartida, caiu 4,5% o número de imóveis financiados já quitados ou com prestações vencidas, ocupados pelo dono.




A taxa indica dificuldade em honrar compromissos financeiros.


Segundo os especialistas, os proprietários também estão no grupo que optaram por moradias emprestadas, ou por aluguéis mais baratos.


Segundo a pesquisa, o número de imóveis alugados aumentou mais de 1,5% no ano.