Compartilhe

Os cachorros são capazes de sentir cheiros que muitas vezes os seres-humanos não conseguem detectar. E essa habilidade canina pode ser uma aliada no combate ao coronavírus.

Cachorro Asher foi um dos primeiros a iniciar treinos para detectar o cheiro da Covid-19 — Foto: Twitter Medical Detection Dogs

Um grupo de cientistas do Reino Unido está treinando cachorros para que eles possam reconhecer o cheiro da Covid-19. Há estudos que comprovam que as doenças têm cheiros. Dizem que a febre amarela, por exemplo, cheira a carne crua. A tuberculose, por sua vez, começa com cheiro de cerveja velha, mas depois se torna mais como uma espécie de salmoura.



“Poderíamos detectar uma colher de açúcar em uma xícara de chá, mas um cachorro poderia detectar uma colher de açúcar em duas piscinas olímpicas. É nesse nível”, afirma o professor James Logan, chefe do departamento de controle de doenças da Escola de Higiene de Londres e Medicina Tropical.

Estima-se que os cachorros têm um olfato entre 10 mil e 100 mil vezes melhor que a do ser humano médio.

Os estudos começaram através de Asher, um cachorro da raça cocker spaniel. Asher chegou à organização Medical Detection Dogs (Cães de Detecção Médica, na tradução do inglês) após ter vários donos e não conseguir ficar com nenhum devido a sua hiperatividade.

Co-fundadora da Medical Detection Dogs, a Dra. Claire Guest viu em Asher potencial para um bom “detector de cheiros” e, ao lado do professor James Logan, Guest começou a treinar o cocker spaniel para reconhecer pessoas que tinham contraído a malária.



Logan e Guest estavam planejando lançar o projeto da malária ainda no primeiro semestre de 2020, mas a Covid-19 chegou com força e os planos da dupla foram modificados. Com o novo vírus tomando grandes proporções mundiais, Asher mudou o seu foco e passou a treinar o cheiro do coronavírus.

Os exercícios para aperfeiçoar a detecção do cheiro é semelhante aos feitos para que os animais identifiquem a presença de drogas e explosivos em aeroportos.

“Se você tem um avião com 500 pessoas saindo, 10% pode ser assintomático ou pré-sintomático”, diz Guest. “O cachorro pode dizer rapidamente: ‘Você, você, você’. É um cheiro de 0,5 segundo. O cachorro não tomará a decisão final. A pessoa fará um teste. Mas, no momento, não há outra maneira de rastrear rapidamente pessoas como essa, especialmente assintomáticas”.

Os pesquisadores esperam obter os resultados iniciais do projeto em agosto ou setembro.

Fonte: G1