Compartilhe

Com o envelhecimento da população os casos de glaucoma saltaram de 900 mil, em 2010, para dois milhões e meio no ano passado.

De acordo com o censo 2018 do IBGE, dos 208 milhões de habitantes, cerca de 86 milhões têm 40 anos ou mais de idade.



O oftalmologista Leôncio Queiroz Penido, de Campinas, interior paulista, esclarece que a idade avançada é um dos fatores que contribui para o surgimento do glaucoma.

O risco também é maior, segundo ele, para afrodescendentes, pessoas com casos na família, que sofreram trauma ocular ou que possuem doenças que alteram a vascularização do olho, como miopia e diabetes.

O médico diz que o glaucoma degenera o nervo óptico, parte do olho que conduz as imagens da retina ao cérebro, para que possamos enxergar.

O tratamento para preservar a visão é feito com o uso de colírios que controlam a pressão intraocular.



O problema é que muitos pacientes sentem desconforto e interrompem o tratamento, em vez de buscar a orientação do especialista.