Compartilhe

Dois detentos do Centro de Progressão Penitenciária de Porto Feliz fugiram na manhã desta segunda-feira (29). Os presos, de 44 e 32 anos, conseguiram escapar após escalarem e pularem a cerca da unidade.

De acordo com informações, levantadas pela Raízes FM, agentes da unidade prisional visualizaram os dois detentos pulando o alambrado do Centro de Progressão Penitenciária.



A fuga ocorreu por volta das 08h20 e um cerco foi realizado no entorno do presídio. Em seguida, foi realizada a contagem dos presos, onde os dois que fugiram foram identificados.

Para a polícia, os detentos devem estar machucados, já que as roupas deles foram encontradas sujas de sangue próximo ao sítio dos Belos.

Segundo a Polícia, os presos tem passagem por roubo e falsificação. Eles são da região de Poá e Mogi das Cruzes.

O Centro de Progressão Penitenciária de Porto Feliz fica na estrada vicinal Porto Feliz/Rafard, e tem capacidade para 1080 presos, mas abriga hoje 1935 detentos. A polícia fez buscas pela região, mas os detentos não foram localizados até o fechamento dessa matéria.



Nota SAP

A Secretaria da Administração Penitenciária informa que hoje, por volta das 9h, dois presos do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Porto Feliz se evadiram.

O agente de segurança penitenciária, que estava escalado na vigilância da torre IV, avistou dois reeducandos em cima da laje do alojamento onze, de onde pularam e foram em direção ao alambrado, passando para o lado externo da unidade e correndo em direção a um carro prata que estava estacionado na rua. Eles entraram no veículo e seguiram em direção ao município de Rafard. Quando o agente de segurança observou a cena, informou imediatamente a direção, que solicitou apoio dos outros servidores, porém, não houve tempo hábil para evitar a evasão.

Foram feitas buscas na região, porém sem êxito de recaptura. A PM também foi avisada, que repassou a ocorrência para a Polícia Rodoviária de  Capivari e Guarda Civil Municipal. Está sendo elaborado o Boletim de Ocorrência.

Salientamos que foram realizadas contagens nos alojamentos habitacionais a fim de identificar os sentenciados evadidos, momento que foi descoberto que eles haviam rompido a tela de proteção superior do alojamento 11.

Ressalvamos que as alas e unidades de regime semiaberto, obedecendo à legislação brasileira, não dispõem de vigilância armada e nem são cercadas por muralha. A permanência do preso, nesse regime, se caracteriza muito mais pelo senso de auto-disciplina e auto-responsabilidade, que propriamente por mecanismos de contenção contra evasão. Os presos do regime semiaberto têm permissão para usufruírem de até cinco saídas temporárias por ano, que são determinadas pelo Poder Judiciário, e podem exercer atividades profissionais em órgãos públicos ou privados, fora do perímetro das unidades prisionais, com prévia autorização judicial. Ressalvamos ainda que quando recapturado o preso volta ao regime fechado.