Compartilhe

Uma empresa de biotecnologia norte-americana está desenvolvendo a primeira vacina oral contra a covid-19. Nessa semana, a medicação, em forma de comprimidos, foi selecionada para participar de testes em primatas – e o estudo foi proposto, organizado e financiado pela Operação Warp Speed, voltada a ações para promover quantidades substanciais de imunizadores seguros e efetivos até 2021.

“Estamos orgulhosos de anunciar que somos uma das poucas companhias selecionadas, sendo que a nossa é a única vacina oral a ser avaliada. O SARS-CoV-2, coronavírus responsável pela doença, é transmitido principalmente por partículas virais que entram na mucosa do nariz, da boca e dos olhos – o que sugere que uma imunidade do tipo pode se tornar a primeira linha de defesa”, afirma Andrei Floroiu, CEO da Vaxart, idealizadora da solução.



“Trata-se de um comprimido estável em temperaturas ambientes, o que proporciona alta vantagem logística em grandes campanhas de vacinação.”

Resultado de uma parceria público-privada iniciada pelo governo dos Estados Unidos para acelerar o desenvolvimento e a produção de uma proteção contra o novo coronavírus, a Operação Warp Speed selecionou outras gigantes do mercado.

Atualmente, mais de cem vacinas estão sendo testadas em todo o mundo, sendo que poucas delas chegaram à fase de aplicação em humanos. Donald Trump, presidente dos EUA, já havia anunciado que destinaria US$ 2 bilhões (R$ 10,96 bilhões) a estudos sobre vacinas da Moderna, da AstraZeneca e da Johnson & Johnson – e parece que as coisas realmente estão começando a evoluir.

Ainda assim, especialistas afirmam que os ensaios clínicos para garantir uma vacina segura e eficaz podem se estender por um período de um ano a um ano e meio.