Compartilhe

Você já percebeu que depois de uma determinada idade muitas pessoas costumam ouvir as mesmas músicas sempre, sem procurar novas bandas para adicionar à playlist? A razão por trás desse fato pode ter uma explicação científica. É chamada de paralisia musical.

O Deezer, um serviço de streaming de música, fez uma pesquisa com mil pessoas no Reino Unido, para descobrir as preferências musicais e hábitos de seus usuários. Os resultados mostraram que os indivíduos tendem a passar por uma “paralisia” por volta dos 30 anos, deixando de procurar novos artistas ou gêneros para ouvirem.



Aparentemente, o auge de nossa descoberta de novas músicas ocorre entre os 23 aos 24, com 75% dos entrevistados nesta faixa etária afirmando ouvir dez ou mais faixas novas por semana, e 64% curtindo cinco ou mais artistas novos por mês. Contudo, 60% daqueles que estão acima dessa idade disseram sentir dificuldades para abandonar a rotina musical que já criaram.

Embora a pesquisa do Deezer tenha sido mais voltada a uma experiência de Relações Públicas, outro estudo científico descobriu que as pessoas tendem a se fechar para novas experiências conforme envelhecem.

Publicado pelo Centro Nacional de Informação Biotecnológica dos Estados Unidos, o experimento avaliou o “Big Five” – cinco fatores da personalidade humana na Psicologia – de diferentes faixas etárias. Os resultados demonstraram que um dos principais traços, a abertura para experiências, tende a atingir seu auge durante a adolescência, e vai diminuindo quando passamos dos 20 anos, o que pode explicar a rigidez musical atingida por volta dos 30.

Além disso, o cientista de dados Seth Stephens publicou uma matéria no The New York Times explicando que as músicas mais populares durante os 11 aos 14 anos de um indivíduo tendem a ser aquelas que ele mais vai ouvir, talvez por uma sensação de nostalgia.



Seja por evocar boas memórias ou pela dificuldade psicológica de se abrir para novidades, parece que nosso gosto musical permanece igual ao da nossa versão adolescente.