Compartilhe

O júri popular de Jesuíno Braz Neto, conhecido como Pipe Love, acusado de matar a lavradora Juliane Michele Calisto, em agosto de 2016, acontece nesta quinta-feira (18) em Rio das Pedras (SP). Ele teria assassinado a mulher, em sua residência, com golpes de chave de fenda próximo ao pescoço.

Foto: Arquivo

Pipe foi preso na mesma época por policiais civis, próximo à rodoviária de Piracicaba. Ele pretendia fugir para outra cidade para não ser preso.



De acordo com as investigações, o acusado matou a mulher e depois enrolou o corpo da vítima em um cobertor e levou o corpo de Juliane em uma carriola até a Rua Desavantor Schiavon, no bairro Massud Coury, em Rio das Pedras, onde ele abandonou o corpo.

Foto: Arquivo

Durante as investigações, os policiais esclareceram que ele teria emprestado o carro de um vizinho para transportar um colchão, que tinha sangue da vítima.

Segundo o delegado Vagner Romano, no dia em que o corpo foi localizado, o acusado acompanhou o trabalho de apuração da polícia. O delegado disse que Pipe ainda informou para os policiais, para desviar o foco, que tinha visto a vítima entrar em um carro com dois homens.

Foto: Arquivo

De acordo com dados do exame necroscópico, a morte de Juliane foi provocada por traumatismo crânioencefálico e três golpes próximos ao pescoço. Também foram encontrados hematomas no rosto, perna e fratura no maxilar.  



O julgamento começou na manhã desta quinta e dois policiais que trabalharam no caso já prestaram depoimento. O resultado do júri deve sair no final do dia.

Jesuíno Braz Neto (Pipe Love) também já tinha sido detido em Capivari no ano de 2013. Na época, ele foi preso por agredir a mulher com quem morava.

Jesuíno era lavrador e também foi ex-jogador de futebol amador do Capivariano.