Compartilhe

Um estudo da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, descobriu algo intrigante: fumantes bons de matemática têm mais chances de parar de fumar — e a memória tem um papel importantíssimo nesses casos. O estudo foi publicado recentemente na revista Health Psychology.

O pesquisadores criaram um teste de habilidade matemática que foi realizado por 696 fumantes. Ao analisar os dados coletados, os especialistas notaram que aqueles que obtiveram uma pontuação mais alta eram mais propensos a dizer que pretendiam parar de fumar. O estudo também apontou que eles tinham uma boa memória para os números relacionados aos riscos do fumo.



Após o teste, foram apresentados aos participantes oito avisos diferentes de embalagens de cigarro, que continham desde desenhos de uma lápide até fotos de pulmões danificados pelo tabagismo. Cada imagem era acompanhada por uma mensagem, como “Fumar pode matar você”, ou dados sobre os riscos do fumo, como “75,4% dos fumantes morrerão antes dos 85 anos de idade, em comparação com 53,7% dos não fumantes”.

Logo após o experimento e seis semanas depois, os voluntários tiveram que avaliar como se sentiam diante de cada aviso de embalagem, a credibilidade que os avisos passavam e a relevância pessoal que eles tinham. Os participantes também responderam questões sobre a percepção de cada um sobre os riscos do tabagismo e o quão predispostos eles estavam a largar o cigarro em um mês ou um ano.

“As pessoas que tinham melhores habilidades matemáticas lembraram-se mais dos números assustadores sobre os riscos de fumar que lhes demos, e isso fez a diferença”, disse Brittany Shoots-Reinhard, principal autora do estudo e professora assistente de psicologia da Universidade Estadual de Ohio, em nota. “Fumantes menos ‘numerados’ tendem a ter um conhecimento muito superficial sobre os riscos à saúde de seus hábitos.”

Este estudo é um dos poucos que vincula habilidades matemáticas com o tabagismo. “Esses resultados podem ajudar a explicar por que muitos estudos descobrem que os fumantes mais instruídos têm maior probabilidade de parar com sucesso”, disse a autora.



Fonte: Revista Galileu