Compartilhe

Um tribunal federal do Canadá ordenou nesta semana que a Comissão Canadense de Direitos Humanos analise uma queixa de um ex-empregado de um grande banco do país que alega ter sofrido “discriminação por ser heterossexual”. Na queixa, o ex-empregado alega que o seu chefe à época lhe disse que “não havia esperança” de promoção por ele não pertencer a um “grupo de gays e bissexuais”.

Ele afirma que o seu ex-gerente havia dito que foi por isso que jovens funcionários do sexo masculino com pouca ou nenhuma qualificação eram promovidos. O chefe recomendou, ainda, que ele “fosse esperto e aprendesse” e recomendou que ele tentasse entrar no “grupo”.



O incidente impactou negativamente “o estado mental e a auto-dignidade” do ex-funcionário, de acordo com o processo. Inicialmente, em setembro, a comissão não levou adiante a queixa dele. Agora o caso está sendo avaliado.

Fonte: Revista Galileu