Compartilhe

Força-tarefa da Lava Jato suspendeu a criação da fundação privada com dinheiro proveniente da Petrobras.

Em nota, o Ministério Público do Paraná declarou, na tarde de terça-feira, que a decisão leva em conta uma série de críticas de vários setores da sociedade sobre a proposta.



O acordo, firmado em janeiro, previa o repasse de parte dos DOIS BILHÕES 500 MILHÕES DE REAIS que a estatal deveria depositar numa conta vinculada à DÉCIMA TERCEIRA VARA FEDERAL de Curitiba.

A soma foi determinada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos como penalidades impostas para encerramento das investigações de casos de corrupção naquele país.

Metade do dinheiro seria aplicado na fundação a ser criada para ampliar investigações contra a corrupção.

A outra parte seria destinada a ressarcir acionistas que entraram na justiça contra a Petrobras até outubro de 2017.



A fundação também receberia dinheiro recuperado das operações em multas, repatriações e acordos de cooperação.

Com a desistência da fundação privada, a força-tarefa da Lava Jato informou que busca alternativas junto a outros organismos para garantir que os valores sejam revertidos para a sociedade.

A suspensão da criação da entidade deve ser acatada pela juíza Gabriela Hardt, que homologou o acordo.