Compartilhe

Lucro dos bancos brasileiros deve diminuir com a iniciativa do governo de limitar os juros do cheque especial a oito por cento ao mês.

De acordo com o Valor Econômico, cálculos preliminares de analistas do setor mostram que o impacto pode chegar a cinco por cento do resultado das grandes instituições financeiras.



Mas a cobrança de uma nova tarifa, anunciada pelo Conselho Monetário Nacional, deve atenuar a queda de receita.

Ao divulgar as novas regras para baratear a modalidade de crédito do cheque especial, o órgão também anunciou a criação de tarifa equivalente a zero vírgula 25 por cento do limite.

Ela será cobrada dos correntistas com cheque especial acima de 500 reais por mês.

Analistas acreditam que a tarifa deverá afetar 71 por cento dos limites aprovados.



A estimativa se baseia em estudos do Banco Central que indicam tíquete médio de mil e 300 reais para o cheque especial.

A limitação da taxa em até oito por cento ao mês entrará em vigor em seis de janeiro de 2020 e será equivalente a 151 vírgula oito por cento ao ano.

Para se ter uma ideia, os juros do cheque especial fecharam outubro em 305 vírgula oito por cento ao ano, ou 12 vírgula 38 por cento ao mês.