Compartilhe

Imagina você deixar de receber o auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo porque, de repente, é promovido ao posto máximo do Executivo brasileiro. Foi exatamente isso que aconteceu com Adeyula Rodrigues, de 31 anos, que acabou se dando conta do engano quando teve seu pedido negado, graças a um erro na Carteira de Trabalho Digital.

O sistema registrou ela com dois empregos ativos: um como auxiliar municipal na prefeitura de Vila Velha e outro como presidente da República pela Secretaria de Estado de Educação. Até o momento, ela não obteve resposta de nenhum órgão competente para entender o porquê de ainda constar como ativa na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), um dos parâmetros utilizados para verificar quem tem direito ao benefício de R$ 600,00.



Tudo indica que a confusão tenha ocorrido no Ministério do Trabalho já que, claro, a opção “Presidente da República” não consta no sistema da Secretaria. Enquanto espera uma definição, ela tenta se virar como pode para manter a serenidade e as contas em dia em meio à pandemia. Desempregada desde agosto de 2019, ela conta apenas com a renda do marido para pagar as contas de casa.