Compartilhe

O Brasil é tão grande que cada região tem suas características, principalmente no jeito de se comunicar. Apesar de falarmos o mesmo idioma, isso faz com que existam inúmeras expressões bem particulares. Separamos algumas delas para explicar de onde surgiram.

Eita A expressão é famosa e, inclusive, já está até registrada no dicionário do nosso idioma. Sua origem, porém, é desconhecida e sua grafia pode ser feita também como “eta”. Normalmente é usada em situações de surpresa ou simplesmente quando não há nada mais a acrescentar ao assunto, ou quando o assunto é tão absurdo que o jeito é soltar eita atrás de eita.



Uai Muito utilizada pelos mineiros e pelos goianos, dizem que a expressão “Uai”, nasceu quando os brasileiros que conviviam com alguns ingleses deixaram “mais brasileiro” o termo “why”, que significa “por que” em inglês. Já para o poeta Amadeu Amaral, que nasceu em Capivari de Cima, onde hoje é Monte-Mor, a expressão “uai” teria surgido a partir da palavra “olhai” para pedir para que a pessoa prestasse atenção em algo.

Vixe – Quem nunca usou essa palavra com algo deu simplesmente ruim? Embora não exista uma história oficial com relação a expressão Vixe no nosso idioma, muitos acreditam que foi uma redução da súplica “Virgem Maria!”, normalmente utilizada quando alguém se assusta ou fica espantado com algum assunto. Tem pessoas que inclusive falam Vixe Maria. Nesse mesmo viés, a expressão “afe” ou “aff” pode ter surgido a partir da expressão “Ave, de Ave Maria”.

Tchê – Super popular no Rio Grande do Sul, dizem que o “tchê” nasceu com o “che” usado em outros idiomas de países que fazem fronteira com o Brasil. Nesses países, o “che” significa “ei”. Mas para outros estudiosos da língua portuguesa, o nosso “tchê” tem origem brasuca mesmo, inspirado no idioma guarani, já que a expressão pode ser traduzida como “amigo”, “meu” ou “eu”.

Diacho – Os mais antigos dizem que falar o nome do coisa ruim (sabem aquele que não deve ser falado, o Diabo. Os antigos diziam que se você falasse você poderia invocar o próprio Diabo pra bem perto. Por isso, acredita-se que o termo “diacho” tenha surgido para evitar falar o nome real e não correr o risco.



Em Capivari, nós também temos nosso dialeto próprio. As gírias mais faladas aqui são: Vórta, que dá pra usar de várias formas: Vórta Urso, Vórta Bode, Vórta Mula e Vórta Cueio. A expressão é usada quando o animal escapa e você chama ele de volta: “Vórta Bóde”! Na verdade, é uma expressão de negação: “Vórta que eu vou no cemitério à noite”. A expressão “Sai Azá”, tem o mesmo significado.

Confira as principais gírias de Capivari nos vídeos abaixo e veja quais você já fala:

Fonte: Mega Curioso